Joe Biden defende "sucesso extraordinário" de retirada de norte-americanos e aliados

Biden diz que os Estados Unidos estão determinados a retirar os entre 100 e 200 norte-americanos que ainda permanecem no Afeganistão.

O presidente norte-americano, Joe Biden, defendeu esta terça-feira que a operação de retirada de norte-americanos e aliados do Afeganistão foi um "sucesso extraordinário", por acabar com uma guerra que durava há 20 anos.

"Nenhum país jamais alcançou algo parecido na história. O extraordinário sucesso desta missão deve-se ao incrível talento, bravura e coragem altruísta dos militares dos Estados Unidos [da América], os nossos diplomatas e os nossos profissionais de informações", disse o Presidente dos EUA, em conferência de imprensa na Casa Branca, em Washington.

Biden garantiu ainda que o país está determinado em retirar os entre 100 e 200 norte-americanos que permanecem no Afeganistão.

Segundo os últimos números, cerca de 114.000 pessoas foram retiradas de Cabul, desde a tomada da cidade pelos taliban, em cerca de 2.900 em voos militares ou da coligação internacional.

No discurso na Casa Branca, o presidente norte-americano explicou que os EUA não tinham outra escolha a não ser a retirada, depois do acordo assinado pelo seu antecessor Donald Trump com os taliban.

"Eu assumo a responsabilidade por esta decisão. [...] Tínhamos apenas uma escolha simples. Ou seguir o compromisso assumido pelo governo anterior e deixar o Afeganistão, ou dizer que não íamos embora e enviar dezenas de milhares de soldados para a guerra", disse.

De acordo com Joe Biden, a "verdadeira escolha era entre sair ou escalar [o conflito]", acrescentando que não iria prolongar eternamente a guerra e a retirada das pessoas do Afeganistão.

"Depois de 20 anos de guerra no Afeganistão, recusei-me a enviar outra geração de filhos e filhas da América para lutar numa guerra que deveria ter terminado há muito tempo", sustentou.

Dando por concluída a guerra em território afegão, Biden aproveitou para alertar, durante o seu discurso, que os EUA ainda não destruíram a ala afegã dos 'jihadistas' do Estado Islâmico (ISIS-K).

"ISIS-K: não acabámos convosco", exclamou o presidente norte-americano.

Para Joe Biden, a melhor maneira de proteger a segurança dos EUA "é através de uma estratégia forte, implacável, focada e precisa, que persegue o terror onde se encontra hoje", onde não estava há duas décadas.

O presidente dos EUA reiterou que o fim da presença militar no Afeganistão é o melhor para os futuros interesses do país.

"Dou-vos a minha palavra, do fundo do coração. Não tenho dúvidas que esta é a decisão certa, uma decisão sábia e a melhor decisão para a América", realçou.

Os Estados Unidos terminaram na segunda-feira a sua guerra mais longa com a retirada militar do Afeganistão, país que invadiram há 20 anos, logo após terem sofrido os ataques terroristas de 11 de Setembro.

Os EUA deixam o Afeganistão de novo nas mãos dos taliban, cujo primeiro regime (1996-2001) tinham derrubado em dezembro de 2001, quando o grupo extremista se recusou a entregar o então líder da Al-Qaida, Osama bin Laden.

A retirada das forças internacionais foi negociada com os taliban, em fevereiro de 2020, e ocorre 15 dias depois de o movimento rebelde ter conquistado Cabul, depondo o Presidente Ashraf Ghani.

Com a capital afegã controlada pelos taliban, a operação foi marcada pelo desespero de milhares de afegãos a querer fugir do país e por ataques do grupo extremista Estado Islâmico, incluindo um atentado bombista que matou cerca de 200 pessoas.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de