Julgamento do primeiro-ministro israelita retomado após dois meses de paragem

Benjamin Netanyahu é acusado de fraude e de ter recebido presentes luxuosos de amigos milionários e trocado favores com magnatas dos media.

O julgamento do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, por corrupção, fraude e abuso de confiança foi retomado este domingo em Jerusalém, após uma paragem de dois meses.

De acordo com a agência Associated Press (AP), não era esperado que Netanyahu comparecesse à audiência, que está a ocorrer num tribunal de Jerusalém e é principalmente uma deliberação processual.

Netanyahu é acusado de fraude, quebra de confiança e aceitação de subornos numa série de escândalos, nos quais é acusado de ter recebido presentes luxuosos de amigos milionários e trocado favores com magnatas dos media por uma cobertura mais favorável de si mesmo e de sua família.

Netanyahu nega irregularidades e diz que as acusações são uma caça às bruxas orquestrada pelos media.

O julgamento começou em maio e recomeça numa altura que Netanyahu enfrenta um descontentamento generalizado sobre a manipulação do seu Governo da crise do novo coronavírus.

Os israelitas têm protestado cada vez mais nas ruas para exigir a sua renúncia.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de