Kremlin justifica lei restritiva com "guerra de informação"

A adoção de uma nova lei que reprime "informações falsas" sobre o exército russo foi "necessária e urgente", disse o porta-voz do Kremlin.

O Kremlin defendeu este sábado a necessidade de "firmeza" na nova lei que reprime "informações falsas" sobre o exército russo para enfrentar uma "guerra de informação" que diz estar a ser travada contra a Rússia no âmbito do conflito na Ucrânia.

"No contexto da guerra de informação, era necessário adotar uma lei cuja firmeza foi adaptada, o que foi feito", disse o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, no dia seguinte à entrada em vigor de um diploma que impõe pesadas penalizações pela divulgação de qualquer informação considerada falsa sobre o exército russo.

A adoção desta lei, na sexta-feira, e a sua assinatura pelo presidente Vladimir Putin foi "necessária e urgente", insistiu.

As penas previstas, que variam desde multas a 15 anos de prisão, serão aplicadas contra quem disseminar "informações falsas" sobre as forças armadas russas.

Como resultado, 'media' russos e estrangeiros anunciaram a suspensão das suas atividades na Rússia.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar à Ucrânia e as autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças. Segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de 1,2 milhões de refugiados.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de