Moderna iniciou ensaios para reforço da vacina específico contra a Ómicron

Ensaios incluem 600 adultos, metade dos quais recebeu as duas doses da vacina da Moderna há pelo menos seis meses, e a outra metade recebeu também, há pelo menos três meses, a dose de reforço.

A empresa de biotecnologia norte-americana Moderna anunciou na quarta-feira que iniciou os ensaios clínicos para uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 especificamente concebida contra a variante Ómicron.

Os ensaios incluem um total de 600 adultos, metade dos quais já recebeu duas doses da vacina da Moderna há pelo menos seis meses, e a outra metade recebeu não apenas essas duas doses iniciais, mas também, há pelo menos três meses, a dose de reforço.

Esta dose de reforço especifica contra a Ómicron será, desta forma, avaliada como uma terceira ou quarta dose da vacina contra a Covid-19.

A empresa norte-americana também revelou resultados sobre a eficácia da terceira dose da sua vacina contra a Ómicron.

Segundo a Moderna, seis meses após a dose de reforço, os níveis de anticorpos contra a Ómicron foram reduzidos em seis vezes, em relação ao pico observado 29 dias após a inoculação.

No entanto, os anticorpos permanecem detetáveis em todos os participantes, assegurou.

Estes dados foram obtidos através da análise ao sangue de 20 pessoas que receberam a dose de reforço de 50 microgramas (metade das duas primeiras injeções).

"Estamos tranquilizados com a persistência de anticorpos contra a Ómicron, seis meses após a terceira dose atualmente autorizada", referiu o diretor-executivo da Moderna, Stéphane Bancel, citado em comunicado de imprensa.

"No entanto, devido à ameaça a longo prazo representada pela disseminação da Ómicron, estamos a avançar com a dose de reforço específica contra esta variante", acrescentou.

A aliança Pfizer-BioNTech iniciou na terça-feira o recrutamento para testes clínicos em adultos sobre a segurança e a resposta imunitária da vacina contra a Covid-19 direcionada especificamente para a variante Ómicron.

Mas a fórmula da Pfizer está a ser estudada não apenas como um reforço, mas também para primeiras inoculações contra a Covid-19, para pessoas ainda não vacinadas.

Baseadas na tecnologia ARN, permite ser relativamente fácil de modificar e atualizar estas duas vacinas, para acompanhar a evolução das mutações específicas em novas variantes.

Vários países, incluindo os Estados Unidos, estão já a registar uma quebra no número de infeções devido à vaga causada pela Ómicron, apesar do aumento de novos casos em todo o mundo.

A Covid-19 provocou 5.614.118 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de