Organização Mundial de Meteorologia investiga temperaturas máximas históricas no ártico

Onda de calor está a atingir a Sibéria, com temperaturas superiores a 30 graus e incêndios florestais.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta terça-feira que está a investigar as temperaturas máximas históricas registadas na localidade ártica russa de Verkhoiansk, habitualmente um dos lugares mais frios do mundo, onde no sábado se registaram 38 graus centígrados.

A OMM está em contacto com as autoridades russas para verificar este recorde e incluí-lo nos arquivos, disse em conferência de imprensa a porta-voz da OMM, Clare Nullis, sublinhando que este máximo estará relacionado com a atual onda de calor que atinge a Sibéria, com um aumento dos incêndios florestais.

"A região da Sibéria Oriental tende a ter temperaturas extremas no inverno e no verão, pelo que temperaturas superiores a 30 graus não são invulgares em julho", acrescentou a fonte oficial, citando dados do centro de investigações árticas da Rússia, Roshvdromet.

De acordo com o relator especial da OMM para o clima e extremos climáticos, Randall Cerveny, o recorde de temperatura registado em Verjoyansk decorre de "uma primavera invulgarmente quente na Sibéria, que coincide com a falta de neve na região e um aumento das temperaturas globais".

A organização com sede em Genebra destacou que o Ártico é uma das regiões onde o aquecimento global está a ser mais pronunciado, com aumentos de temperaturas que duplicam a média mundial, uma redução de 50% no volume do gelo marinho e temperaturas recorde na atmosfera nos últimos quatro anos.

A OMM também recordou que, em 06 de fevereiro, a base argentina Esperanza registou uma temperatura recorde de 18,4 graus no extremo Norte da península antártica.

Verjoyansk e Oymyakon são conhecidos como os lugares mais frios do planeta, onde as temperaturas podem descer a mais de 67 graus abaixo de zero no inverno.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de