Partido árabe Raam formaliza apoio à coligação para novo Governo em Israel

Negociações juntaram nos últimos três dias as equipas dos principais dirigentes da esquerda, do centro e de uma parte da direita, como a da Yamina.

O partido árabe israelita Raam, liderado pelo islâmico Mansour Abbas, formalizou esta quarta-feira o seu apoio ao projeto de coligação anti-Netanyahu, o que permite eliminar um dos últimos obstáculos para a formação de um novo Governo em Israel.

Mansour Abbas "assinou o acordo de coligação para formar um governo de unidade", adiantou em comunicado o gabinete do líder da oposição Yaïr Lapid, citado pela agência France-Presse, que ainda tem até 23h59 (21h59 em Lisboa) para reunir votos que permitam anunciar ao Presidente que obteve apoio suficiente para formar o próximo Governo.

Os adversários do primeiro-ministro israelita cessante, Benjamin Netanyahu, tinham apenas algumas horas para anunciar hoje um acordo visando conduzir o país a uma "nova era" e acabar com mais de dois anos de crise política.

As negociações para a formação de um novo Governo juntaram nos últimos três dias as equipas dos principais dirigentes da esquerda, do centro e de uma parte da direita, como a da Yamina, a coligação do líder da direita radical, Naftali Bennett, previsto como futuro primeiro-ministro no quadro de uma rotação no poder.

A adesão do Raam ou da outra formação árabe israelita, a Lista Unida, resolveria o problema do campo anti-Netanyahu, que precisava de mais quatro deputados para atingir os 61 (a maioria no parlamento de 120 lugares) necessários para formar um governo.

O conflito com os palestinianos, o relançamento económico, o lugar da religião: tudo no papel divide a heterogénea coligação anti-Netanyahu com exceção da vontade de afastar o primeiro-ministro com 15 anos no poder, os últimos 12 consecutivamente.

A ser julgado por corrupção em três casos diferentes, Netanyahu é o primeiro chefe do governo israelita acusado durante o mandato.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de