'Youtuber' Felipe Neto intimado a depor por chamar "genocida" a Bolsonaro

Felipe Neto atribuiu o uso do termo "genocida" ao Presidente devido à "sua nítida ausência de política de saúde pública no meio da pandemia, o que contribuiu diretamente para milhares de mortes de brasileiros".

Um dos maiores 'youtubers' brasileiros, Felipe Neto, informou que foi intimado na segunda-feira a depor por suposto crime previsto na Lei de Segurança Nacional, por ter classificado o Presidente, Jair Bolsonaro, de "genocida" no combate à pandemia de Covid-19.

O 'youtuber' anunciou a convocação através das redes sociais e indicou que a queixa-crime partiu do vereador Carlos Bolsonaro, filho do chefe de Estado.

"Um carro da polícia acaba de vir na minha casa. Trouxeram intimação para que eu compareça e responda por Crime Contra a Segurança Nacional, porque chamei Jair Bolsonaro de genocida. Carlos Bolsonaro foi no mesmo delegado que me indiciou por 'corrupção de menores'. Sim, é isso mesmo", escreveu Neto na rede social Twitter.

"A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação. Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um Governo deve temer seu povo, NUNCA o contrário. Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo. Não vai me calar", frisou o 'youtuber', que tem ascendência portuguesa.

Felipe Neto atribuiu o uso do termo "genocida" ao Presidente devido à "sua nítida ausência de política de saúde pública no meio da pandemia, o que contribuiu diretamente para milhares de mortes de brasileiros", acrescentando que "uma crítica política não pode ser silenciada jamais".

O Brasil é o segundo país do mundo mais afetado pela pandemia em números absolutos, ao totalizar 11.519.609 casos e 279.286 mortes devido à Covid-19.

O delegado responsável pela intimação do 'youtuber', e que é titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Internet, Pablo Dacosta Sartori, negou hoje que tenha havido tentativa de intimidação e favorecimento político com o seu ato.

Questionado sobre o motivo de apenas o influenciador ter sido intimado pelo uso do termo "genocida", enquanto milhares de pessoas fazem o mesmo, diariamente, nas redes sociais, o delegado afirmou que é necessário um registo feito pela vítima para que o caso seja apurado, o que, neste caso, foi feito por Carlos Bolsonaro.

"Para qualquer caso em que uma pessoa ofende a outra, é feito o registo. A vítima precisa demonstrar interesse em ver aquilo apurado, ainda que através de outra pessoa devidamente autorizada. Eu não sou proativo, essas demandas [procuras] nos chegam e fazemos um registo. Não entendo essa repercussão. O juiz é que vai entender se arquiva esse caso ou não", afirmou Sartori, citado pelo portal UOL.

Felipe Neto disse hoje que o "objetivo da família Bolsonaro não é mais colocar medo" no 'youtuber', mas sim nos cidadãos, para que "tenham medo de falar".

Numa entrevista à BBC Brasil, Neto garantiu que esta intimação é parte da perseguição "absoluta" da qual é alvo "desde o primeiro dia de Governo" de Bolsonaro, que tomou posse em janeiro de 2019.

"Durante a gestão do PT [Partido dos Trabalhadores], sempre fui uma oposição ferrenha e diversas vezes ataquei os ex-presidentes Lula [da Silva] e Dilma [Rousseff ], inclusive com inúmeras ofensas e acusações. Nunca recebi sequer uma cartinha de fim de ano com uma reprimenda e um pedido de retratação. Já na gestão Bolsonaro, a perseguição é absoluta desde o primeiro dia de governo", assegurou à BBC.

O 'youtuber', que é também empresário, ator, escritor e que foi eleito pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, ao lado de Bolsonaro, negou ser uma ameaça à segurança nacional e que "o povo é que é uma ameaça ao 'bolsonarismo', porque está acordando".

Após a intimação, surgiu uma onda de apoio ao influenciador digital por parte de vários segmentos da sociedade, como da política, da imprensa, ou das artes.

"Manifesto minha solidariedade a Felipe Neto. Que a tentativa de intimidação e censura desse desgoverno não o impeça de continuar se manifestando livremente, como é próprio da democracia, independente de sua posição. O silenciamento é uma das armas do fascismo", escreveu Lula da Silva no Twitter.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.661.919 mortos no mundo, resultantes de mais de 122,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de