ACT admite haver "falsos recibos verdes" na Casa da Música

A "existência de trabalho dissimulado" verificou-se no caso dos grupos de trabalhadores de técnicos extra e de assistentes de sala.

A inspetora-geral da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), Luísa Guimarães, admitiu esta quarta-feira, numa audição no Parlamento, haver indícios de existirem trabalhadores a "falsos recibos verdes" na Casa da Música.

"Após visita inspetiva de 16 de junho, foi possível concluir, pelo indício em alguns casos, a existência de trabalho dissimulado", afirmou esta quarta-feira Luísa Guimarães, numa audição conjunta das comissões de Trabalho e Segurança Social e de Cultura e Comunicação, na sequência de um requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) sobre a situação de trabalhadores da Casa da Música, no Porto.

De acordo com a inspetora-geral da ACT, a "existência de trabalho dissimulado" verificou-se no caso dos grupos de trabalhadores de técnicos extra e de assistentes de sala.

A ACT, explicou, decidiu agrupar os trabalhadores em "quatro grupos: músicos, formadores e animadores musicais; técnicos extra; assistentes de sala; guias".

A "ação inspetiva à Casa da Música, com foco de verificar se um conjunto de situações de prestador de serviços configurava situações de contrato dissimulado", iniciou-se em maio e "não está concluída".

Caso se verifique a existência de falsos recibos verdes na instituição, devem ser "levantados os correspondentes autos". No entanto, estão "ainda a ser ouvidos trabalhadores e a situação pode alterar-se na sequência das audições".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de