Projeto Malacate. Há um novo ninho na aldeia das Minas de São Domingos

As cores das ruínas no antigo edifício da indústria mineira e os pássaros que por ali nidificam captaram o olhar de Lise Wulff. A artista norueguesa chegou em novembro do ano passado, voltou em março e aí está um novo ninho, na aldeia das Minas de São Domingos. Old Space, New Volume, é este o nome da instalação construída com a ajuda da comunidade. A nova menina dos olhos do projeto Malacate, cuja intervenção artística é assinada pela companhia Cepa Torta, depois de aceitar o desafio proposto pela câmara de Mértola, é só uma das tantas artes que vão habitar a aldeia até julho do próximo ano.

"Fascinada", Lise Wulff solta o espanto pousando o olhar no voo das várias espécies que constroem os ninhos. Também reparou nos telhados das casas e nas cores que habitam o espaço onde a terra já foi mineira, "ocre, roxo e turquesa", os tons pintados agora nas estacas de madeira que se avistam à entrada da mina, para quem vem de Mértola. É este o novo ninho da aldeia.

A artista plástica, que vive nos arredores de Oslo, é conhecida por trabalhar com as comunidades locais, e por desenvolver esculturas que ligam o Homem à Natureza, utilizando sempre materiais naturais em obras que passam a ocupar o espaço público para usufruto de todos.

Um ninho, desta vez é um ninho, com três metros de altura, e quase tanto de diâmetro. O espanhol que também fala ajudou a ultrapassar a barreira da língua. "Fui muito bem recebida", agradece Lise. "Colaboraram, contaram histórias, costumes, provei boa comida e bom vinho nas minas de São Domingos."

Felipe Abreu, diretor artístico do projeto, explica como ele e Miguel Maia desenharam o projeto Malacate. "Convidámos artistas portugueses e estrangeiros a visitar e a habitar a mina e a desenvolver projetos para a aldeia." Dança, teatro, artes visuais, o céu é o limite e está aberto às várias artes performativas que surjam do encontro entre a população e os vários artistas. "A mina tem poucos habitantes, mas ainda é a casa de muitos milhares de mineiros, e isso a juntar ao carisma que acompanha os seus passos, as memórias, as gentes, cria o ambiente perfeito para a criação artística, contemporânea e participativa."

Até julho do próximo ano, há muito para visitar e seguir na aldeia das minas de São Domingos. Pode ser "à noite no mercado", desfiando histórias temperadas com a gastronomia local, que regressa já em abril, ou em plena luz do dia, como este ninho que habita agora um local abandonado.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de