APICER alerta para possível fecho de empresas de cerâmica devido aos custos da energia

Presidente da Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica sublinha que é preciso encontrar medidas de curto prazo que possam contornar este problema.

A Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica (APICER) alerta para um possível fecho das empresas do setor devido aos custos da energia e diz que, no último ano, a eletricidade subiu 300% e o gás registou um aumento de 400%. Por isso, a associação enviou uma carta ao ministro da Economia a chamar a atenção para aquele que consideram ser um problema do futuro. Luís Sequeira, presidente da APICER, afirma que há uma grande possibilidade de algumas empresas virem a fechar por causa do aumento dos custos da energia.

"Tendo a energia subido - na eletricidade foram 300% e no gás natural 400% - é impossível trabalhar nestas circunstâncias, não é possível refletir nos preços finais estes custos. O setor é um dos maiores consumidores de gás natural da indústria transformadora, representa entre 30 a 40%. Estes valores dependem muito, naturalmente, das próprias empresas e dos subsetores que a própria cerâmica representa", explicou à TSF Luís Sequeira.

O responsável sublinha ainda que é preciso encontrar medidas de curto prazo que possam contornar este problema.

"Passa pela criação de um regime de lay-off simplificado e de moratórias. Isto para aliviar um pouco esta situação. O normal é que as empresas possam refletir estes aumentos nos preços, mas são de tal forma elevados e exagerados que não é possível fazer sob pena de o mercado não o comportar", acrescentou o presidente da APICER.

Na próxima quarta-feira a APICER vai reunir-se com o secretário de Estado da Energia, João Galamba, para avaliar que tipo de soluções podem ser encontradas para fazer face ao aumento do preço da energia.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de