João Leão: "PRR chega na altura certa"

Ministro das Finanças diz-se "orgulhoso" pelo "momento de viragem" com a aprovação do primeiro conjunto de Planos de Recuperação e Resiliência.

O ministro das Finanças, João Leão, saudou esta terça-feira o passo final para a aprovação do primeiro conjunto de 12 planos de Recuperação e Resiliência, entre os quais se inclui o plano português, que tem a particularidade de ter sido "o primeiro a ser aprovado pela Comissão Europeia".

"Vamos conseguir hoje aprovar finalmente os 12 primeiros planos de Recuperação europeus de diferentes 12 países nos quais se inclui o plano português", afirmou João Leão, confessando estar "orgulhoso" com o resultado obtido.

A falar à entrada para a reunião Ecofin, o ministro considerou que se trata de um momento de viragem para Portugal e para a Europa, que é resultado de "seis meses de trabalho intenso da presidência portuguesa da União Europeia".

Em relação ao plano português, "38% é para ajudar a transição verde e combater as alterações climáticas, promovendo a eficiência energética, [e] promovendo também a descarbonização da indústria e melhorando o ambiente".

"Os restantes 22% do plano são para melhorar em termos digitais a administração pública e as empresas", apontou, referindo também "investimentos muito significativos nas escolas e centros profissionais".

"Estes planos chegam na altura certa para as economias europeias e para a economia portuguesa", vincou o ministro, lembrando também as "medidas de emergência e de apoio às empresas e às famílias para ajudar o emprego e o rendimento das famílias no momento de crise", ao longo do último ano.

"Agora estamos na fase de viragem para a recuperação económica quer em Portugal quer na Europa", acredita o ministro das Finanças, esperando que muito em breve o conjunto inicial de 12 países com os planos aprovados possam começar a receber os primeiros desembolsos.

O comissário da Economia, Paolo Gentiloni, detalhou que as primeiras parcelas poderão estar disponíveis dentro de duas semanas. No caso de Portugal espera-se uma primeira parcela de mais de dois mil milhões de euros do pré-financiamento de 13% do montante global do plano.

O comissário também sintetizou a mensagem que pretendem passar neste dia, de que os planos chegam "no momento certo".

"Creio que é muito importante que esta aprovação formal final destes planos ocorra no exato momento em que a retoma já está em curso", afirmou Gentiloni, convicto de que a aprovação dos planos dará um sinal que "irá aumentar a confiança nos mercados, nos países, permitindo que os investimentos e as reformas arranquem".

Seguindo a recomendação da Comissão Europeia, os ministros das Finanças da UE irão dar luz verde ao conjunto inicial de 12 planos, nomeadamente o de Portugal, Alemanha, Áustria, Bélgica, Eslováquia, Espanha, Dinamarca, França, Grécia, Itália, Letónia e Luxemburgo.

O PRR de Portugal tem destinados 16,6 mil milhões de euros, sendo 13,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido, tendo sido aprovado pela Comissão Europeia a 16 de junho passado.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de