Medidas de resposta à pandemia agravaram défice em 2,6% até setembro

Maior parte do agravamento da despesa surgiu de medidas como subsídios de apoio ao emprego e prestações sociais de apoio ao rendimento das famílias.

As medidas adotadas para responder ao impacto da pandemia agravaram o défice orçamental em cerca de 2,6% do PIB, segundo o relatório da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), divulgado esta terça-feira.

"As medidas de política Covid-19 tiveram um impacto direto no saldo orçamental de -4.009 milhões de euros, entre janeiro e setembro de 2021, o que representa -2,6% do PIB [Produto Interno Bruto] nominal", pode ler-se no relatório de acompanhamento da execução orçamental em contabilidade nacional, entregue no parlamento hoje.

Os técnicos do parlamento explicam que das medidas de política que agravaram a despesa, correspondente a 3,1% do PIB, a maioria concentrava-se em subsídios (1,5% do PIB) e prestações sociais (0,6% do PIB), "refletindo as medidas de apoio ao emprego e ao rendimento das famílias, respetivamente".

A UTAO explica ainda que para este resultado contribuiu ainda a perda definitiva de receita reconhecida nas medidas de suspensão temporária das execuções fiscais e contributivas, o correspondente a -169 milhões de euros (- 0,1% do PIB), bem como, por outro lado, as receitas adicionais com origem em medidas Covid-19 da União Europeia, correspondendo a 1.016 milhões de euros.

Indica ainda a influência do registo da receita previsional referente aos três primeiros trimestres do adicional de solidariedade sobre o setor bancário, no valor de 25 milhões de euros.

"O legislador justificou a criação deste imposto com a necessidade de consagrar recursos novos para o combate à pandemia. Porém, a receita foi consignada ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o que indicia uma intenção política diferente, a intenção de o tornar antes num instrumento de financiamento permanente do sistema de pensões da Segurança Social", aponta o relatório.

Os técnicos do parlamento assinalam que o valor do impacto das medidas compara com o impacto direto de - 4.408 milhões de euros (- 2,8% do PIB) no saldo global em contabilidade pública no mesmo período, "traduzindo uma diferença de 399 milhões de euros".

"Este impacto orçamental direto não inclui as garantias concedidas pelas Administrações Públicas a outros setores institucionais no contexto das medidas de resposta à pandemia de Covid-19, que constituem passivos contingentes", pode ler-se ainda no relatório.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de