PIB português cresce 4,9% em cadeia e 15,5% em termos homólogos

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O Produto Interno Bruto (PIB) português registou um crescimento de 4,9% no segundo trimestre face ao primeiro, e de 15,5% face ao mesmo período do ano passado, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"O Produto Interno Bruto (PIB), em termos reais, registou uma variação homóloga de 15,5% no 2.º trimestre de 2021 (-5,3% no trimestre anterior)", pode ler-se num destaque divulgado, esta sexta-feira, pelo instituto de estatística.

Segundo o INE, "esta evolução é influenciada por um efeito base, uma vez que as restrições sobre a atividade económica em consequência da pandemia se fizeram sentir de forma mais intensa nos primeiros dois meses do segundo trimestre de 2020, conduzindo então a uma contração sem precedente da atividade económica".

PIB sobe na zona euro e na UE

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro subiu, no segundo trimestre deste ano, 13,7% face ao mesmo período de 2020, marcado pela pandemia, e 2% face aos primeiros três meses de 2021, liderando Portugal as subidas trimestrais.

Uma estimativa rápida do gabinete estatístico da União Europeia (UE), o Eurostat, revela que o PIB ajustado sazonalmente aumentou 13,7% na zona euro e 13,2% na UE no segundo trimestre de 2021 em comparação com o período homólogo do ano passado.

Já na variação em cadeia, o PIB ajustado sazonalmente aumentou, no segundo trimestre de 2021, 2% na zona euro e 1,9% na UE, em comparação com o trimestre anterior.

Ainda na comparação com os primeiros três meses de 2021, Portugal registou a maior subida neste segundo trimestre entre os 11 países com dados disponíveis para o Eurostat, com o PIB português a crescer 4,9% na variação em cadeia, seguido da Áustria (+4,3%) e da Letónia (+3,7%).

A Lituânia (+0,4%) e a República Checa (+0,6%) registaram o menor aumento do PIB no segundo trimestre deste ano.

Por seu lado, na comparação homóloga, o PIB português subiu 15,5%, o quarto maior aumento, a seguir a Espanha (19,8%), França (18,7%) e Itália (17,3%), adianta o Eurostat.

Notícia atualizada às 11h31

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de