"Situação dramática." Indústrias de pirotecnia pedem ação do Governo após cancelamento do fogo de ano novo

Vários municípios cancelaram o fogo-de-artifício na passagem de ano, e a Associação Portuguesa de Indústrias de Pirotecnia e Engenhos Explosivos denuncia que muitos trabalhadores vão ficar sem empregos a partir de janeiro, e que vivem uma "situação muito dramática".

O presidente da Associação Portuguesa de Indústrias de Pirotecnia e Engenhos Explosivos revela que as empresas do setor vivem uma situação dramática, depois de vários municípios terem cancelado as festividades da passagem de ano, por causa do crescimento da pandemia.

Carlos Macedo avança que estas empresas já pediram ajuda ao Governo, sublinhando que a indústria da pirotecnia está parada há quase dois anos. "Tínhamos uma época alta muito boa de pirotecnia, que era a Páscoa. Depois, a partir dessa altura, perdemos o verão todo, perdemos a passagem do ano no ano passado, e este ano já vamos com o verão todo perdido, a Páscoa perdida."

"Ou o Governo nos ajuda ou fechamos todos. Ainda ontem enviámos um pedido de ajuda ao senhor Presidente da República e também ao senhor primeiro-ministro, e à senhora ministra da Administração Interna, pedindo que os postos de trabalho que nós suportámos durante o ano."

Carlos Macedo também adianta que muitos trabalhadores vão ficar sem empregos a partir de janeiro, e que vivem uma "situação muito dramática".

O presidente da Associação Portuguesa de Indústrias de Pirotecnia e Engenhos Explosivos não compreende o cancelamento dos espetáculos de fogo-de-artifício, e argumenta que é possível organizar as festividades de forma segura. Carlos Macedo faz, por isso, um apelo aos municípios: "Não cancelem o fogo-de-artifício, porque o fogo-de-artifício não aglomera pessoas. O que aglomera pessoas são os outros eventos que se fazem ao lado do fogo-de-artifício."

São várias as autarquias que cancelaram os festejos de final de ano, como é o caso de Lisboa, Porto, Vila Nova de Gaia ou Braga, mas também os 16 municípios do Algarve.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de