Contra a "maioria absoluta", Catarina Martins promete lutar por "soluções"

Na mensagem de Ano Novo, a coordenadora do Bloco volta a acusar António Costa de ter rejeitado um acordo com a esquerda por pretender uma maioria absoluta. Combate à corrupção e reforço do Serviço Nacional de Saúde são algumas das bandeiras do BE.

Um dia depois de António Costa ter assumido o desejo por uma maioria absoluta: "metade mais um" - disse o primeiro-ministro - Catarina Martins surge na mensagem de Ano Novo, em nome do Bloco de Esquerda apostada em contrariar esse objetivo e com a promessa de que "com a força que o povo confiar", o BE irá trabalhar por "soluções".

"Só rejeitando a maioria absoluta podermos encontrar soluções para o SNS e para o salário, ou um esforço verdadeiro para derrotar a corrupção. Garanto-lhe que, em 2022 e sempre, com a força que o povo confiar, o BE lutará por essas soluções", afirma a líder bloquista.
Antes Catarina Martins renova a acusação de que foi o PS quem escolheu precipitar a crise.

"O governo do Partido Socialista rejeitou com a esquerda um acordo sobre a Saúde e sobre as Leis Laborais e preferiu provocar eleições em janeiro. António Costa já explicou porquê: quer a maioria absoluta."
A mensagem arranca com a referência a mais um "ano difícil" por causa da pandemia "mas não só".

Sem citar os nomes de João Rendeiro ou de Manuel Pinho, Catarina Martins elenca "a detenção de um ex-banqueiro ou de um ex-governante, ou a investigação sobre clubes de futebol" para considerar que elas revelam um mundo de "conivências" que só será travado com a quebra de "bloqueios para as autoridades judiciárias."

"Precisamos do fim das offshores, controlo dos capitais, criminalização do enriquecimento ilícito, fim dos vistos gold", defende a coordenadora do BE.

Na área da Saúde, o bloco insiste que é preciso "assegurar SNS os profissionais de que precisa, criar carreiras , investir nos centros de saúde", medidas em que o Catarina Martins avisa: "Não hesitamos, não recuamos."

Avisando que a "pandemia ainda faz vítimas", Catarina Martins apela à vacinação: "Peço-lhe que se vacine e vacine os seus filhos."

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de