Francisco Louçã confirma saída do Conselho Consultivo do Banco de Portugal

A possível nomeação de Mário Centeno como novo governador do Banco de Portugal e a nomeação de João Leão para a pasta das finanças justificam a decisão de Francisco Louçã.

Francisco Louça confirma a saída Conselho Consultivo do Banco de Portugal (BdP). Louçã coloca o lugar à disposição na sequência da saída de Mário Centeno da pasta do ministério das Finanças, ministro que o nomeou há três anos.

"Entendo que devo sair por uma questão de rigor e independência", diz Francisco Louça à TSF, confirmando assim a notícia do jornal Público.

"O facto de ter sido indicado pelo ministro das Finanças [Mário Centeno] e haver agora outro novo ministro, determina que o novo ministro deva indicar quem entenda", diz Louçã.

O jornal Público acrescenta que, para além de Francisco Louçã, também os restantes três elementos do conselho consultivo - João Talone, Luis Nazaré e Murteira Nabo - vão abandonar funções, tendo já colocado o lugar à disposição.

"Acresce que sendo o futuro governador Mário Centeno, não teria nenhum sentido ocupar um cargo, que requer total independência perante o Governo e a administração, com a mesma pessoa que me tinha nomeado", explica ainda Francisco Louçã.

O antigo líder do Bloco de Esquerda sugere ainda que o Conselho Consultivo passe a registar em acta o que é discutido.

"Está em discussão se o conselho consultivo deve passar a registar sob a forma de um parecer escrito, a ser votado um bom momento sobre as contas do banco. Creio que essa sugestão que tenho vindo a fazer será assumida pelo governos seguintes", considera Francisco Louçã.

No futuro, Francisco Louçã acredita que essa mudança vai mesmo avançar.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de