Líder do PSD "100% de acordo" com veto a diploma sobre PAEL e critica PS e PCP

O líder do PSD considerou de "terceiro mundo" a tentativa do PS e PCP "juntarem votos para no Parlamento eliminar as penalidades a quem não cumpriu aquilo que devia cumprir".

O líder do PSD manifestou-se nesta quarta-feira "100% de acordo" com o veto ao diploma que altera as regras de enquadramento do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), reiterando as críticas a PS e PCP.

"Relativamente a esta matéria não estou a 100% de acordo, estou a mais de 100% de acordo. Acho que esta lei, aquilo que o PS e PCP fizeram, é uma vergonha", afirmou Rui Rio durante a primeira iniciativa de pré-campanha que arrancou esta quarta-feira no Marco de Canaveses.

Em declarações aos jornalistas, o líder do PSD considerou de "terceiro mundo" a tentativa do PS e PCP "juntarem votos para no Parlamento eliminar as penalidades a quem não cumpriu aquilo que devia cumprir".

"Mudar uma lei que calça precisamente a seis câmaras municipais, cinco do PS e uma do PCP (...) Isto é de terceiro mundo", considerou.

Na terça-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou o diploma do Parlamento que altera as regras de enquadramento do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), aprovado por PS, PCP e PEV, com oposição de PSD, BE e PAN.

Numa nota divulgada no site oficial da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa afirma ter tomado esta decisão "atendendo a que pode produzir efeitos concretos em autarquias locais e respetivos responsáveis e a que foi submetido a promulgação já depois de convocadas as eleições [autárquicas de 26 de setembro] e iniciado o prazo de apresentação de candidaturas".

O chefe de Estado devolveu o diploma à Assembleia da República "solicitando que sobre ele se pronuncie depois da realização do ato eleitoral, ou seja daqui a um mês e dois dias", lê-se na mesma nota.

Aos jornalistas, Rui Rio garantiu ainda que a oposição do PSD a este diploma se manterá.

"A posição do PSD vai manter-se (...) Se há coisa que é fundamental, fui autarca durante 12 anos e, para mim, acho que é sagrado uma gestão financeira rigorosa e equilibrada no país e em cada uma das autarquias", acrescentou o líder social-democrata.

Na carta enviada ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, Marcelo Rebelo de Sousa refere que deste diploma "decorre, em termos de facto, a eventual não aplicação de sanções a um número preciso e limitado de autarquias locais, relativas ao PAEL".

"Afigura-se de meridiano bom senso não suscitar, com ele, interferências eleitorais e mesmo danos reputacionais para autarquias e autarcas, assim salvaguardando a separação entre a legislação sobre gestão autárquica e o período eleitoral em curso", considera o Presidente da República.

De acordo com o portal da Assembleia da República, este diploma, um texto final saído da Comissão de Poder Local, com base num projeto de lei do PS, foi aprovado em votação final global em 22 de julho com a abstenção de CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de