Maioria aprova máscaras obrigatórias na rua, mas não usa StayAway Covid

A sondagem da Aximage para TSF/JN mostra um acordo sobre o uso obrigatório de máscaras na via pública mas a maioria não quer ser obrigada a instalar a aplicação.

É uma maioria dupla a favor das máscaras na rua: 60% dos inquiridos concordam totalmente (25% concordam parcialmente) e outros 68% até dizem que já as usam na via pública. Pelo contrário, 32% admitem que não usam máscara.

Questionados sobre as recomendações da Direção Geral da Saúde, as opiniões dividem-se: metade (52%) pensa que os portugueses "facilitam", a outra metade (46%) considera que as diretivas são cumpridas

A nível pessoal, aumentou, em relação a setembro, o número de inquiridos (72%) que dizem cumprir as recomendações "mais do que a maioria". Apenas 2% consideram que têm um grau de cumprimento inferior ao dos outros.

Maioria não usa StayAway Covid

Metade dos inquiridos (48%) discordam totalmente da possibilidade de a aplicação StayAway Covid ser de instalação obrigatória. 19% têm uma discordância parcial e entre quem concorda (24%) apenas 10% estão totalmente de acordo.

Apesar dos apelos do primeiro-ministro, quase 60% (59%) não utilizam a aplicação para identificar contactos de risco com pessoas infetadas com o novo coronavírus. 26% dos inquiridos dizem que já a utilizavam antes da polémica, apenas 7% passaram a usar depois da proposta do Governo e 8% dos inquiridos respondem que não têm telefone onde consigam instalar a StayAway Covid.

Embora a polémica sobre a aplicação StayAway Covid esteja agora em modo de pausa,
97% dizem conhecer a proposta do Governo que pretendia tornar obrigatória a instalação, sendo que 67% já conheciam a aplicação.

Ficha técnica
A sondagem foi realizada pela Aximage para a TSF e o JN, com o objetivo de avaliar a opinião dos Portugueses sobre temas relacionados com a Covid-19.
O trabalho de campo decorreu entre os dias 22 e 26 de outubro, Foram recolhidas 624 entrevistas entre maiores de dezoito anos residentes em Portugal. Foi feita uma amostragem por quotas, com sexo, idade e região, a partir do universo conhecido, reequilibrada por sexo e escolaridade.
À amostra de 694 entrevistas, corresponde um grau de confiança de 95% com uma margem de erro de 3.70%. A responsabilidade do estudo é da Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direção técnica de José Almeida Ribeiro.

LEIA AQUI TUDO SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de