"Momento absolutamente decisivo." Costa diz que estas eleições serão das mais importantes para o país

O líder socialista sustentou que "há muitos anos que não tínhamos eleições que fossem tão importantes para o futuro".

O secretário-geral do PS considerou neste sábado que as próximas eleições legislativas serão das mais importantes e decisivas da história democrática portuguesa, alegando que não pode ser introduzida perturbação política no combate à pandemia e na recuperação económica.

Esta posição foi defendida por António Costa na sessão de encerramento do Congresso da Associação Nacional de Autarcas do PS, que decorreu no Parque das Nações, em Lisboa, e em que a presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, foi eleita para liderar esta estrutura dos socialistas.

"Este é um momento absolutamente decisivo para o futuro do país. Há muitos anos que não tínhamos eleições que fossem tão importantes para o futuro", declarou o líder dos socialistas, num discurso com 25 minutos, durante o qual lançou um veemente apelo à mobilização dos autarcas do seu partido para o ato eleitoral de 30 de janeiro próximo.

De acordo com o primeiro-ministro, o país "está ainda a enfrentar a maior pandemia que alguma vez se sonhou".

"Todos temos orgulho no nosso nível de vacinação e sabemos o quanto é importante a vacinação, mas também sabemos que a pandemia não acabou com a vacinação e que temos de prosseguir, sem perturbações, o combate. Para o controlo desta pandemia, nada pior do que introduzir qualquer perturbação política nesta trajetória que estamos a ter", advertiu.

Em segundo lugar, segundo o líder dos socialistas, não pode ser "comprometido o esforço de recuperação económica que o país está a enfrentar".

"Sabemos bem que a pandemia não atacou só a saúde, mas também afetou as empresas, em particular as que foram obrigadas a encerrar para proteção de todos. A pandemia afetou os rendimentos e os empregos. Felizmente, graças ao conjunto de medidas adotadas, conseguimos evitar que a pandemia gerasse uma calamidade económica e social", advogou.

António Costa sustentou depois que o país "retomou o crescimento e a OCDE considera mesmo que Portugal será o país que no próximo ano mais vai crescer" entre os Estados-membros da organização.

"Ora, este esforço de recuperação não pode ser interrompido, não pode ser perturbado. Temos de continuar no caminho certo ara assegurar a recuperação económica e social do país", disse.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de