Desrespeitaram a disciplina de voto. Agora, PSD instaura processos a deputados madeirenses

Sara Madruga da Costa, Sérgio Marques e Paulo Neves vão ser punidos por não terem respeitado a disciplina de voto do partido, durante a votação do Orçamento do Estado.

O PSD vai instaurar processos disciplinares aos três deputados do PSD-Madeira com lugar na Assembleia da República, depois de estes terem desrespeitado a disciplina de voto imposta pelo partido, na votação do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Sara Madruga da Costa, Sérgio Marques e Paulo Neves são os três deputados visados, que terão agora de responder perante os órgãos nacionais do PSD.

Em declarações à agência Lusa, ao comentar o "processo disciplinar instaurado aos três deputados sociais-democratas eleitos à Assembleia da República", fonte do partido insistiu que a abstenção na votação do OE2020 não significou qualquer afronta à direção nacional do partido, mas apenas a assunção da postura de sempre de colocar os interesses da região acima dos partidários.

A fonte confirmou a notícia divulgada pela deputada social-democrata Sara Madruga da Costa numa entrevista ao Diário de Notícias da Madeira, na qual refere que tanto ela como os outros dois parlamentares, Sérgio Marques e Paulo Neves, "foram recentemente informados da instauração de um processo disciplinar por parte do PSD nacional" por causa desta posição.

Também o secretário-geral do PSD/Madeira, José Prada, reiterou que a abstenção dos três deputados na votação do OE2020 deveu-se, "apenas e tão só", a "uma tomada de posição em coerência com aquilo que são os princípios e obrigações do PSD/Madeira em defender sempre e em primeiro lugar a Madeira, acima de quaisquer interesses políticos e/ou partidários".

"Esclarece-se, todavia, que esta posição não espelha qualquer divergência ou representa qualquer afronta ao Partido a nível nacional", declarou José Prada.

Em comunicado, este responsável dos sociais-democratas recorda que esta posição expressa pelos três deputados eleitos pela Madeira "foi a que tem sido, desde a primeira hora, assumida pelo PSD/Madeira, ao colocar, sempre e em primeiro lugar, os interesses da Região e de todos os madeirenses e porto-santenses".

Por isso, reitera, que o que "move o PSD/Madeira", tanto a nível regional, nacional ou europeu, "é a defesa intransigente do interesse superior da região e de todos os seus residentes".

"Esta é uma defesa que se materializa sejam quais forem as circunstâncias", concluiu o PSD/Madeira.

Esta não é uma postura inédita por parte dos deputados da Madeira. Sara Madruga da Costa recordou que é a segunda vez que os deputados madeirenses 'furam' a disciplina de voto, tendo em 2016 essa atitude sido "sancionada" e a deputada deixado de ser vice-presidente da bancada do partido na Assembleia da República.

Nesse ano, Sara Madruga da Costa, Rubina Berardo e Paulo Neves chegaram a ser suspensos por três meses, quando votaram favoravelmente o Orçamento Retificativo apresentado pelo PS que visava viabilizar o Banif, contrariando as ordens dadas pelo presidente do partido, Pedro Passos Coelho.

Em 2015, também os deputados eleitos pela Madeira, Guilherme Silva, Hugo Velosa, Correia de Jesus e Francisco Gomes, foram alvo de um processo e suspensos por um mês, porque decidiram votar contra o Orçamento do Estado desse ano do Governo PSD/CDS.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de