Ventura acusa Costa de "fraude" por "libertar" Portugal perto das eleições

O líder do Chega considera que o recente alívio das medidas de combate à pandemia, e o anúncio de novas, "é uma das maiores fraudes políticas dos últimos anos" e que os portugueses a vão pagar "muito caro".

O líder do Chega, André Ventura, acusou esta terça-feira o primeiro-ministro de protagonizar uma "fraude" por se apresentar como "libertador de Portugal" aliviando as medidas de contenção da Covid-19 perto das eleições autárquicas.

"Subitamente e miraculosamente, a vinte e tal dias das eleições autárquicas, já não há internamentos, nem os telejornais abrem com os casos mortais de Covid-19. Parece que agora vivemos no país das maravilhas que vai receber milhões da Europa, que a Covid desapareceu e que [o primeiro-ministro] António Costa de férias, aqui no Algarve, se apresenta como o libertador de Portugal", declarou.

Numa intervenção no evento que marcou a 'rentrée' política do partido, em Albufeira, no Algarve, André Ventura disse considerar que o recente alívio das medidas de combate à pandemia de Covid-19, e o anúncio de novas, "é uma das maiores fraudes políticas dos últimos anos" e que os portugueses a vão pagar "muito caro", mais cedo ou mais tarde.

"António Costa é muito hábil e conseguiu, de facto, isto, extraordinário, que é: por sorte do Partido Socialista, só quando começam a chegar as eleições que mais lhe interessam é que, subitamente, se começa a falar de deixar de usar máscara, os restaurantes podem reabrir, os setores podem todos funcionar", afirmou.

Na opinião do líder do Chega, agora que se aproxima a data das eleições marcadas para 26 de setembro "já ninguém quer saber nem do Rt, nem dos índices de incidência, nem da mortalidade, nem dos internamentos" provocados pela Covid-19.

No seu discurso, André Ventura aproveitou ainda para acusar os presidentes do PSD, Rui Rio, e CDS/PP, Francisco Rodrigues dos Santos, de terem "definhado" a direita, impedindo a possibilidade de um "governo nacional de direita", por não terem "feito o seu trabalho".

"Tornaram-na uma direita burguesa, amorfa e uma direita de meninos copos de leite. Tornaram-na uma direita incapaz de lutar com a esquerda, no seu próprio território, e isso é culpa deles", sublinhou.

André Ventura disse ainda querer "em dois anos ultrapassar o PSD como o principal partido da oposição em Portugal" considerando que o seu partido é o único que "poderá garantir um governo de direita".

Mostrando-se confiante na obtenção de "centenas de eleitos" nas autárquicas, o líder do Chega apelou à "responsabilidade" no desempenho de funções autárquicas, já que o partido será "avaliado" por isso nas próximas eleições legislativas.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de