Câmara de Viseu atribui medalha de ouro a Almeida Henriques

Serão também iniciados procedimentos com a Assembleia Municipal, para depois apresentar a proposta de atribuição do Viriato de Ouro, que é a mais elevada condecoração de Viseu.

A Câmara de Viseu aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, a atribuição da medalha de ouro a António Almeida Henriques, que foi presidente da autarquia até ao início do mês e que morreu devido à Covid-19.

No final da reunião do executivo camarário, a sua presidente, Conceição Azevedo, disse aos jornalistas que "o homem que liderou o projeto político mais impactante do interior do país merece esta distinção e muito mais".

Neste âmbito, acrescentou que "também serão iniciados procedimentos com a Assembleia Municipal para depois apresentar a proposta de atribuição do Viriato de Ouro, que é a mais elevada condecoração de Viseu".

"Com o presidente António Almeida Henriques, Viseu afirmou-se como a cidade portuguesa com mais qualidade de vida. Um trabalho do qual também queria usufruir, porque era em Viseu que queria continuar a viver, no concelho do seu coração, do qual com tanto carinho e orgulho falava", afirmou.

Conceição Azevedo recordou que o PSD, "o seu partido de sempre, tinha-o já indicado como candidato a um próximo mandato à frente dos destinos do município de Viseu, com o objetivo claro de concluir o seu sonho, a sua visão".

Um voto de pesar que também hoje foi aprovado refere que um dos sonhos que Almeida Henriques "acalentava com grande carinho era a transformação de Viseu numa cidade inteligente".

"Uma happy and smart city, como dizia tantas vezes, porque sabia que a felicidade é o desígnio maior. O objetivo era colocar a tecnologia ao serviço da gestão do concelho e do bem-estar dos viseenses", referiu Conceição Azevedo.

Durante a reunião, foi também aprovada, por unanimidade, a proposta apresentada pelo vereador não executivo Jorge Sobrado de atribuir o nome de Almeida Henriques ao Polo Arqueológico de Viseu (PAV).

No entender de Jorge Sobrado, "a missão inovadora do PAV, o seu modelo integrado disruptivo, a sua operacionalidade e atuais resultados interpretam e honram a visão e o empenhamento de António Almeida Henriques enquanto edil, em torno de uma nova e arejada política local do património cultural em Viseu".

Conceição Azevedo adiantou aos jornalistas que o município está também a ponderar a atribuição do nome de Almeida Henriques a uma das artérias da cidade e a um edifício que represente "realmente a abrangência do sonho que tanto sonhou para Viseu".

"Entendemos que Almeida Henriques carece de uma obra mais emblemática, que agregue maior dimensão, todo o seu legado, toda a sua estratégia, a sua visão para Viseu. E, portanto, vamos pensar qual será o edifício", justificou a autarca.

Almeida Henriques, que era presidente da Câmara Municipal de Viseu desde 2013, morreu no dia 04, aos 59 anos, vítima de complicações respiratórias decorrentes da Covid-19.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de