Estações do Metro de Lisboa fechadas devido à greve dos trabalhadores

Trabalhadores estão em protesto contra o que dizem ser "a desvalorização dos problemas dos funcionários por parte da administração".

As estações do Metropolitano de Lisboa estão fechadas desde as 6h00 devido à greve parcial dos trabalhadores que às 6h45 registava uma "adesão elevada", segundo Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

"À semelhança da greve de dia 11, que abrange o setor operacional e maquinistas, a adesão é elevada. As estações estão encerradas", adiantou a sindicalista à Lusa.

Anabela Carvalheira disse que "não houve até agora 'feedback' por parte da empresa", adiantando que os sindicatos vão reunir-se na próxima terça-feira.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa (ML) cumprem, esta sexta-feira, uma greve parcial entre as 5h00 e as 9h00, estando previsto o início do serviço de transporte a partir das 9h30.

O Metro de Lisboa funciona entre as 6h30 e a 1h00.

Os trabalhadores apresentaram em 23 de fevereiro um pré-aviso de greve, para 11 e 18 de março, entre as 5h00 e as 9h00, tendo em conta o que descrevem como uma desvalorização dos problemas dos funcionários por parte da administração.

De acordo com Anabela Carvalheira, a paralisação do dia 11 teve uma adesão "elevada", tendo abrangido o setor operacional e maquinistas, enquanto a transportadora não divulgou dados sobre a participação. A circulação de comboios teve início cerca das 9h30.

"[O pré-aviso de greve] tem a ver com as condições de trabalho, a falta de efetivos e o clima por parte da direção relativamente aos trabalhadores, o que perturba o bom funcionamento", disse na altura a sindicalista, em declarações à agência Lusa.

Os sindicatos pretendem que a empresa "coloque em prática uma série de compromissos assumidos para com os trabalhadores há muito tempo", adiantou.

De acordo com a Fectrans, o aviso prévio respeita as decisões dos plenários, pelo que abrange todas as chefias da Direção de Operações, bem como os maquinistas.

Em reposta à Lusa, nas vésperas desta nova paralisação, o Metropolitano de Lisboa disse que se "encontra recetivo às propostas apresentadas pelas entidades sindicais".

O Metropolitano de Lisboa diariamente opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião).

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de