É preciso alargar a licença de parentalidade. A recomendação é do Conselho Nacional de Saúde

O Conselho Nacional de Saúde considera que as mães devem ficar em casa seis meses depois do parto, tendo como base a recomendação da Organização Mundial da Saúde de aleitamento materno até ao meio ano de vida.

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) recomenda ao Governo que alargue o prazo da licença parental para os seis meses, para a mãe poder dar de mamar. A sugestão faz parte do relatório "Gerações Mais Saudáveis", que analisa as políticas públicas de promoção da saúde das crianças e jovens em Portugal.

A medida sugerida pelo CNS baseia-se numa recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera que o ideal para o bebé é ter seis meses de aleitamento materno exclusivo, uma vez que este favorece a vinculação, a apetência para determinados alimentos.

"Se a OMS recomenda [a amamentação] até aos seis meses, o ideal seria que a licença de parentalidade fosse até aos seis meses", defende Isabel Loureiro, vice-presidente do CNS e coordenadora do relatório.

Atualmente, a duração da licença de maternidade é de cinco meses pagos a 100% ou de seis meses pagos a 83%, mas apenas se a licença for partilhada. Ou seja, é preciso que pelo menos um mês seja gozado em exclusivo pelo pai ou pela mãe.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de