Três retratos, oito pastéis e um chouriço doce: a obra e "a gula" de Paula Rego em Belém

Três retratos, oito pastéis e um chouriço doce: a obra e "a gula" de Paula Rego em Belém

Com Paula Rego "nunca havia tédio, ela era o oposto de uma pessoa chata", a evidência exclamada sem rodeios por José Manuel dos Santos, desdobra a conversa numa paleta de histórias. Das obras doadas pela pintora ao Estado Português, à compra de roupa interior feminina numa loja de bairro, aos almoços jantares e muitos passeios pelas ruas de Belém, o antigo assessor cultural de Jorge Sampaio guarda retratos doces duma mulher que não precisava de posar a sua originalidade " tudo era natural nela."